Cabeça de sardinha ou rabo de baleia no esporte e na vida?

Tanto no esporte quanto na vida, estamos muitas vezes diante de um dilema: é melhor ser um peixe grande em um pequeno lago, ou um peixe menor em um lago maior?  Conhecido no ditado popular da minha época “cabeça de lagartixa ou rabo de jacaré”. Descobri que hoje é conhecido como “cabeça de sardinha ou rabo de baleia”.  Pois é gente, isso é um dilema que enfrentamos diariamente não só no esporte, mas na vida também.

Em julho deste ano estive de férias no Rio e passei os primeiros dez dias jogando Beach Tennis com minha esposa em uma rede de amigos e bem família, na Barra.  Muito legal, aproveitei bastante e joguei bem.  Me senti a verdadeira sardinha.  Mas como se sabe, esse esporte é muito nivelado no qual o jogador mais forte participa pouco do jogo. Inclusive os profissionais mesmo falam que perdem muitas peladas nas praias:  o jogo é focado no jogador mais fraco. Ou seja a sardinha perdeu também

Experimentei alguns dias e joguei com uma galera mais forte, bem legal também, e me senti bem, talvez sendo o jogador mais atacado. O rabo da baleia.   Mas quando você vai em uma rede que a galera joga muito e não é simpática e muito menos receptiva? Ai e complicado, pois mesmo se você tiver nível, é fácil se sentir como o rabo da baleia e acabar jogando abaixo do seu nível. Já aconteceu comigo e com você?

Na época em que jogava e treinava diariamente tênis, era mais difícil acontecer isso, pois eu treinava mais que todos e estava mais preparado.  Mas, às vezes, no tênis e no Beach, me sinto assim fora de lugar. Me lembro que jogando torneios profissionais de tênis, quando passava as eliminatórias muitas vezes me sentia assim.  Uma vez durante o NCAA, nos EUA, na universidade enfrentávamos as equipes top 10 dos pais e era muita pressão jogar naquele nível alto.  Passados muitos anos, posso dizer hoje que isso é mais um problema nosso, da nossa cabeça, do que qualquer outra coisa mas mesmo assim não é fácil.  Recentemente quando comecei a praticar o Beach me senti assim também.  O segredo talvez seja a autoestima que você tenha.  Os mais convencidos, que se acham, não tem esse tipo de constrangimento.

Segundo o blog de Artur Szavo, existem vantagens nas duas situações de ser a sardinha ou baleia. Ser cabeça de sardinha é bom para você aprender, tomar decisões, melhorar a técnica com mais calma referindo-se ao jogo, e ajuda na autoestima. Você tem mais controle da situação e geralmente gostamos disso nê?! O rabo da baleia bate muito :), mas é importante para adquirir experiência e sentir seu nível real e o que e preciso melhorar. Se recomenda, no caso do rabo da baleia, ficar quietinho, fazer o que tem que ser feito, e obedecer. Muito bom aprendizado.  Realmente, os dois são experiências muito válidas e se você tiver oportunidade use das duas situações como experiências de vida. Diz uma história que um pescador japonês tinha que ir cada vez mais longe para trazer peixe fresco. Até que os clientes, acostumados a peixe fresco, começaram a reclamar pois o peixe vinha morto e com outro sabor. Aí o pescador japonês teve a ideia de por uma espécie de piscina e trazer os peixes vivos outra vez. Mas os clientes diziam que não era a mesma coisa, o sabor ainda não era o mesmo. Então o pescador japonês botava um pequeno tubarão faminto e os peixes vinham muito espertos na piscina. Moral da história, às vezes é preciso uns tubarões na vida, ou tomar umas rabadas da baleia?

Szabo acrescenta que tudo de depende da fase da sua vida, se você quer ser profissional de tênis ou beach, vai ter que ser muito rabo de baleia, mas diz que existe muito mais sardinhas que baleias que é bom aprender a pensar e por que não ser bem-sucedido, pois ajuda na formação. Daniel Rosembauer, técnico de tênis diz que é preciso dois para um quando você está competindo referente a vitorias e derrotas para seguir uma trajetória positiva no esporte. Traduzindo, seja sardinha em dois torneios e baleia em um.

Para terminar lembrei de uma história da vitamina N para as crianças:  o não.  Estamos tão acostumados a não lidar com frustração que muitas vezes frustrante perder ou receber um não. Baleias recebem mais “nãos” e sardinhas mais “sim”.   Quanto antes a gente se acostumar a flutuar em sardinha e baleia melhor.  Por favor deixe seu comentário venha treinar: ser sardinha ou baleia juntos!

 

Compartilhe!

Deixe uma resposta